29 outubro 2010

Nossa valsa, nosso amor




Nós dois dançamos em descompasso
Embora seja falsa a metáfora e esteja
a valsa a caminhar nas ondas
À luz de velas e em noite de luar
...tropeçamos os pés;
Embaralhamos os passos pelos extremos:
Um depressa demais;
E o outro perdido e pálido,
Meio a um imenso salão escorregadio.

Passada a ilusão de platéia e luzes
Somos “a sós” e sem assunto
Como estranhos siameses em continua
adaptação e estranhamento...

A valsa só existe aqui, conosco
embalados de glória e raiva;
Pouco preocupados com a melodia
Que traspassa nosso beijo manchado
E marcha na ilusão de mais um dia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário